São Paulo F.C



A maior goleada em uma final de torneio sul-americano em toda a história!

Em 1994, o Tricolor goleou o Peñarol por 6 a 1, no Morumbi, e praticamente assegurou o título da Copa Conmebol

gazeta-press-foto-117124.jpg

Por Gazeta Press

A era de ouro do futebol são-paulino, o início dos anos 90, trouxe, além de inúmeras conquistas, um calendário sempre apertado que comprometia o desempenho físico dos atletas. Em 1993, para se ter um exemplo, o São Paulo realizou 97 partidas – em momentos daquela temporada, o clube realizou um jogo e cada dois dias por quase três semanas consecutivas. Não seria muito diferente no ano seguinte (foram 92 jogos em 1994).

Mas o que seria um problema para muitos, o Tricolor transformou em oportunidade. Visando aproveitar e desenvolver ao máximo os talentos das categorias de base, que já naquela época usufruíam a melhor estrutura possível no CT da Barra Funda, os dirigentes são-paulinos resolveram resgatar a tradição do time chamado Expressinho.

O Expressinho surgiu nos anos 40, quando o time de aspirantes do São Paulo foi pentacampeão consecutivo do estadual (1943-47), revelando jogadores que foram aproveitados no time principal do Tricolor, como Yeso, Antoninho e Leopoldo. Aliás, o nome “Expressinho” é uma homenagem ao “Expresso da Vitória”, equipe do Vasco da Gama que, na época, era a única agremiação que rivalizava em poder com o Rolo Compressor são-paulino.

 

A COPA CONMEBOL

Em 1994, o comandante do Expressinho era Muricy Ramalho, que havia sido elevado ao posto de auxiliar técnico do Mestre Telê após a saída de Márcio Araújo e conquistar o Torneio Internacional de Croix, na França, com o time júnior. Além de substituir o time principal são-paulino em partidas no Campeonato Brasileiro e na Copa do Brasil, o Expressinho foi incumbido de disputar integralmente a Copa Conmebol daquele ano.

Ou seja, um time praticamente composto de jogadores sub-20, mesclado com alguns reservas experientes, disputaria um torneio internacional de estilo “mata-mata” vestindo a camisa tricolor contra esquipes tradicionais do futebol sul-americano.

E o melhor de tudo: deu resultado! Duplamente! O são-paulinos conquistaram o título e nomes como Rogério Ceni, Juninho e Denílson conquistaram de vez espaço no futebol brasileiro. Juninho, inclusive, chegou a disputar dois jogos em um mesmo dia (16 de novembro, contra Sporting Cristal, pela Conmebol, e Grêmio, pelo Brasileiro).

Nesta campanha, o “tricolorzinho” desbancou um oponente de peso em competições eliminatórias logo na primeira rodada: o Grêmio, nos pênaltis, após dois empates em zero a zero. Nas quartas de final, derrubaram os peruanos do Sporting Cristal e na fase seguinte outra decisão por pênaltis, dessa vez contra o Corinthians, com direito a cobrança perfeita de Rogério Ceni e duas defesas contra os rivais Gralak e Leandro Silva.

 

A GOLEADA NA FINALÍSSIMA

O primeiro jogo da decisão da Copa Conmebol foi no Morumbi, no dia 14 de dezembro, e pouco mais de quatro mil são-paulinos presenciaram a maior goleada da história de qualquer final sul-americana até hoje. Detalhe: de virada!

O Peñarol, equipe tricampeã do mundo e pentacampeã da Libertadores, começou o jogo de maneira implacável. Logo aos 4 minutos abriu o marcador com Aguillera, em um belo disparo de fora da área.

A partir daí, no entanto, só deu Tricolor, com um verdadeiro show dos atacantes Catê. Caio e Toninho. Caio marcou o gol de empate do São Paulo perto do fim do primeiro tempo, após cobrança de escanteio e toque de oportunismo. O gol da virada veio com Catê, aos 12 minutos da etapa complementar, depois de bela assistência de Toninho e falha do goleiro uruguaio.

A pérola da noite aconteceu no terceiro gol são-paulino, aos 26 minutos. Catê, endiabrado, fez linda jogada pela direita até a linha de fundo e tocou para trás, Pereira chutou de primeira, forte e no travessão! No rebote, Toninho emplacou uma bicicleta de canhota indefensável! Golaço!

Quatro minutos depois, cruzamento de Ronaldo Luís pela esquerda e Caio marcou mais um, agora de cabeça. 4 a 1! Já perto do final da decisão, aos 38 minutos, Catê aproveitou rebote do goleiro em chute de Pereira e ampliou. Por fim, 41 minutos de jogo, o camisa sete chegou a trinca de gols na partida em uma bela jogada individual: disparando do meio campo, ultrapassou os marcadores, driblou o goleiro e só tocou para às redes! 6 a 1 para o São Paulo!

Com a grande goleada logo na primeira partida da decisão, o resultado do jogo de volta, uma semana depois (0 x 3 para os uruguaios, e ainda assim com Rogério Ceni tendo uma das melhores partidas da carreira), pouco influiu e o Tricolor sagrou-se campeão da Copa Conmebol de 1994!

 

A FICHA DO JOGO

14.12.1994 Copa Conmebol – Final
São Paulo (SP) Estádio Cícero Pompeu de Toledo – Morumbi
SÃO PAULO Futebol Clube (SP) 6 X 1 Club Atlético PEÑAROL (Uruguai)

SPFC: Rogério Ceni; Pavão, Nelson, Bordon e Ronaldo Luís/capitão; Mona, Pereira e Denílson; Catê, Caio e Toninho. Técnico: Muricy Ramalho         

Gols: Caio, 41'/1ºT; Catê, 12'/2ºT; Toninho (bicicleta), 26'/2ºT; Caio (cabeça), 30'/2ºT; Catê, 38'/2ºT; Catê, 44'/2ºT

CAP: Oscar Ferro; Washington Tais; Oscar Aguirregaray (Sergio Martínez), Enrique de los Santos e Robert Lima; Nelson Gutiérrez/capitão, Diego Dorta, Danilo Baltierra e Pablo Bengoechea (Marcelo Otero); Carlos Aguillera e Dario Silva. Técnico: Gregório Pérez              

Gols: Carlos Aguillera, 4'/1ºT

Árbitro: Iván Guerrero Levancini (Chile)
Advertências: Nelson (SPFC), Bengoechea, Aguirregaray e Gutiérrez (CAP)
Renda: R$ 29.050,00
Público: 4.995 pagantes

 

A CAMPANHA

Oitavas-de-Final

  • 02.11.1994 – 0 X 0 – GRÊMIO Foot-Ball Porto Alegrense (RS)
  • 10.11.1994 – 0 X 0 – GRÊMIO Foot-Ball Porto Alegrense (RS) 6 X 5 pen.

Quartas-de-Final

  • 16.11.1994 – 3 X 1 – Club SPORTING CRISTAL (Peru)
  • 24.11.1994 – 0 X 0 – Club SPORTING CRISTAL (Peru)

Semifinais

  • 02.12.1994 – 4 X 3 – Sport Club CORINTHIANS Paulista (SP)
  • 09.12.1994 – 2 X 3 – Sport Club CORINTHIANS Paulista (SP) 5 X 4 pen.

Finais

  • 14.12.1994 – 6 X 1 – Club Atlético PEÑAROL (Uruguai)
  • 21.12.1994 – 0 X 3 – Club Atlético PEÑAROL (Uruguai)

 

A CLASSIFICAÇÃO FINAL

Time PTS JGS VIT EMP DER GM GS SG
São Paulo FC (SP) 9 8 3 3 2 15 11 4
CA Peñarol (URU) 9 8 4 1 3 16 12 4
SC Corinthians P (SP) 9 6 4 1 1 21 11 10
CFP Universidad de Chile (CHL) 7 6 3 1 2 13 6 7
C Sporting Cristal (PER) 5 4 2 1 1 4 4 0
Club Cerro Corá (PAR) 4 4 2 0 2 9 10 -1
CA San Lorenzo A (ARG) 4 4 1 2 1 5 6 -1
Minervén FC (VEN) 2 4 0 2 2 3 12 -9
Danubio FC (URU) 2 2 1 0 1 1 2 -1
10º CA Huracán (ARG) 2 2 1 0 1 3 5 -2
11º CA Lanús (ARG) 2 2 0 2 0 3 3 0
12º Botafogo FR (RJ) 2 2 0 2 0 1 1 0
13º Grêmio FBPA (RS) 2 2 0 2 0 0 0 0
14º EC Vitória (BA) 1 2 0 1 1 3 4 -1
15º CD El Nacional (EQU) 0 2 0 0 2 1 3 -2
16º CD Oriente Petrolero (BOL) 0 2 0 0 2 1 9 -8